terça-feira, 17 de abril de 2018

"O Que É o Arquivo?" em Debate na Cinemateca Portuguesa



De 18 a 20 de Abril, numa iniciativa do Arquivo Municipal de Lisboa — Videoteca em parceria com a Cinemateca Portuguesa — Museu do Cinema, serão exibidas sessões de cinema e organizadas mesas redondas dedicados ao tema das relações entre Cinema e Arquivo.

A programação completa do Laboratório do Ciclo de Encontros "O que é O Arquivo?" encontra-se disponível para consulta na página oficial da Cinemateca Portuguesa.

[Fonte e Imagem: Cinemateca Portuguesa — Museu do Cinema]


segunda-feira, 9 de abril de 2018

Home Movies in 28mm



Dino Everett, curador do Hugh M. Hefner Motion Picture Archive, examina a história do 28mm, o primeiro filme concebido para registo de home movies, e exemplifica os desafios de uma projecção no formato com mudança de parte.



[Fonte: Ben Model - silent film accompanist/historian]
[Imagem: Grahame N's Web Pages]

sábado, 7 de abril de 2018

Filmes Perdidos Portugueses: CHANTECLER ATRAIÇOADO (1910, Júlio Costa)



Em 1910, a Empreza Cinematographica Ideal estreava os seus novos estúdios — um "magnífico imóvel de paredes e tecto envidraçados, como convinha e era de regra ao tempo, já que a luz solar era de capital importância"1 sito à Rua Marquês de Ponte de Lima, em Lisboa, com cinquenta metros de comprimento e quinze de altura — com a produção de CHANTECLER ATRAIÇOADO.

Descrito, por materiais de divulgação da época, como uma comédia sentimental, os detalhes que sobraram até aos nossos dias sobre CHANTECLER ATRAIÇOADO são profundamente escassos. Duas certezas, no entanto, subsistem: a unanimidade de se tratar do primeiro título português de ficção especificamente rodado para exibição em sala de cinema, e de que era protagonizada por António Cardoso, actor cómico que conheceu particular fama na altura.

Pelo estatuto de que o seu protagonista gozava no início dos anos 10 do passado século, coloca-se a hipótese de o público ter acolhido favoravelmente CHANTECLER ATRAIÇOADO. A esse propósito, são vários os registos históricos que destacam o talento humorístico de António Cardoso, também apelidado de "Cardoso do Ginásio", assim como o "seu feitio bonacheirão e a sua enorme simpatia"2.



Neste contexto, uma das fontes mais interessantes para observar o impacto de António Cardoso, junto do público português, vem do modo como as notícias do seu falecimento, em 1917, foram recebidas entre as diversas camadas sociais da população. Xico Braz3, na sua obra Postaes da Guerra4, não poupou palavras para comentar o desaparecimento de "Cardoso do Ginásio":

«Uma das notícias tristes que vieram ter comigo ao front, num destes dias chuvosos e aborrecidos, foi a que relatava ter morrido o Cardoso do Ginásio. Pobre artista! (...) Com toda a sua arte, a que ele se entregava com a religiosidade d'um crente, o Cardoso fazia rir até rebentar as ilhargas. É que ele era um artista completo. Apesar da sua mediana ilustração, ele era, dos artistas cómicos — o mais natural e o mais consciencioso. Não apalhaçava, não metia um dito da sua lavra, nem deturpava o sentido da frase, para conseguir a piada. Ele representava com arte e probidade. Mais nada. (...) Mas lá se foi o bom do Cardoso, que toda a vida nos fez rir. São assim os artistas cómicos. Só fazem chorar uma vez: é quando morrem.»

De CHANTECLER ATRAIÇOADO, a curta-metragem que assinalou o arranque da histórica Empreza Cinematographica Ideal, não se conhece o paradeiro de qualquer material fílmico.

Notas:
1 in Filmes, Figuras e Factos da História do Cinema Português 1896-1949, de Félix Ribeiro (1983, Cinemateca Portuguesa).
2 in No palco da saudade: António Cardoso, de Salvador Santos, publicado no blog Audiência.
3 Pseudónimo do escritor Artur de Matos.
4 Disponível no repositório da Biblioteca Nacional de Portugal.

Imagens:
1 Estúdio da Empreza Cinematographica Ideal. Imagem originalmente publicada in Filmes, Figuras e Factos da História do Cinema Português 1896-1949.
2 António Cardoso, ou o "Cardoso do Ginásio"; CinePT — Universidade da Beira Interior.

segunda-feira, 2 de abril de 2018

“Film looks, digital sees”: A Viagem à Índia de Christopher Nolan e Tacita Dean



«There have been accusations to dispel myths about expensive art mediums. We are here to stay as a wonderful medium and enjoy. It’s about preserving this art for the future. There is a spirit of optimism in this entire thing.»

«We [Nolan and I] want it to be normal to use film. We both don't want to be doing it [promoting celluloid] in fifteen years’ time. Artists and filmmakers shouldn't face the restraint anymore, it is just there and it is fine, let it just be normal.»



As opiniões de Christopher Nolan e Tacita Dean, a propósito da sua viagem à Índia, no âmbito do programa Reframing the Future of Film, onde se debateu e promoveu as virtudes da película enquanto formato de produção e exibição.

Apesar de alguns ditames menos positivos, tais como o partilhado por uma vedeta de Bollywood como é Amitabh Bachchan, e tendo em conta o entusiasmo que a iniciativa mereceu, a comunidade cinematográfica indiana mostra-se rendida ao charme do celulóide.

[Fontes: The Telegraph India, News18 e IndiaWest].
[Vídeo: Bollywood Records]
[Imagem: The Indian Express].

quinta-feira, 29 de março de 2018

Blockbuster em Película #12



READY PLAYER ONE, de Steven Spielberg, rodado em película de 35 mm (Kodak Vision3 250D 5207, Vision3 500T 5219).

«60% of the movie was created by visual artists, but they are following some kind of lighting that I established in 40% of the movie, which was live action, also shot on film. So they are following lighting that I’ve established in this movie, READY PLAYER ONE, and also in previous movies. They using imagery from other movies that I’ve done with Steven and they’re reproducing the light that I would create. Some of the light from MINORITY REPORT. Some of the light from ARTIFICIAL INTELLIGENCE. So they’re following the philosophy of my light.», Janusz Kaminski, director de fotografia do filme.

[Fonte e imagem: Collider].



quarta-feira, 28 de março de 2018

2001: ODISSEIA NO ESPAÇO em 70mm



«For the first time since the original release, this 70mm print was struck from new printing elements made from the original camera negative. This is a true photochemical film recreation. There are no digital tricks, remastered effects, or revisionist edits.

This is the unrestored film that recreates the cinematic event audiences experienced 50 years ago.
»

Por ocasião do 50º aniversário do seminal 2001: ODISSEIA NO ESPAÇO, o Festival de Cannes vai exibir o clássico de ficção-científica de Stanley Kubrick em cópia de 70mm concebida a partir dos negativos originais do filme, numa sessão apresentada por Christopher Nolan.

[Fonte e Imagem: Business Wire].

segunda-feira, 26 de março de 2018

"Colourising archive actuality film does not bring us closer to our ancestors"



«We will have to see [Peter] Jackson's film to judge properly. But there is a fundamental issue here about how we treat our actuality film archives. WWI was filmed in monochrome (a tiny amount of colour film was shot during the war in the Kinemacolor process, of which just two minutes survives, showing the British fleet off Scapa Flow in 1915). To understand that inheritance we must look at it for what it is. Colourising archive actuality film does not bring us closer to our ancestors; it increases the distance between us. It threatens to make the WWI film archive we have inherited meaningless, because we can no longer look at it sympathetically. It's the effort that creates the understanding.

Yes, on some occasions archive film can and should be manipulated for particular ends. It need not always be treated reverently in its original form alone — that way elitism lies.

But, to my mind, using it to show what it is not does more damage than good. If we want people to understand the past, we should not be colouring it.
»

Na edição de Abril da revista Sight & Sound, Luke McKerman salienta os paradoxos que rodeiam o anunciado documentário de Peter Jackson sobre a Primeira Guerra Mundial, nomeadamente a decisão de colorir imagens em movimento do conflito que foram, originalmente, registadas em formatos monocromáticos.

[Imagem: ScreenRant].

quarta-feira, 21 de março de 2018

Estreia da Semana: WONDERSTRUCK



WONDERSTRUCK, de Todd Haynes, rodado em película de 35 mm (Kodak Vision3 250D 5207, Vision3 500T 5219 e Eastman Double-X 5222).

«For character-driven stories, I still prefer to shoot on film. Frame-by-frame there is more life and depth to the image, than in one that is pixel-fixed on the single plane of a digital sensor. To my eyes there is something anthropomorphic to film — living and interacting between the frames — which supported our human-interest storytelling.», Ed Lachman, director de fotografia.

[Imagem: Amazon Studios e Roadside Attractions, publicado em American Cinematographer].
[Fonte: Kodak].

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Nove Vantagens de Filmar em 70mm



Para a imagem e a projecção. Com a cortesia de Jean-Pierre Verscheure:

  • A aquisição linear e não-anamórfica torna o espaço cénico mais confortável em termos de profundidade de campo;
  • Eliminação de todos os defeitos específicos nos formatos anamórficos;
  • A área de superfície negativa é maior em comparação com o 35mm, reduzindo consideravelmente o grão fotográfico;
  • Projecção a 30 imagens por segundo, para uma melhor decomposição da imagem;
  • Efeito de cintilação reduzido até 60 períodos por segundo;
  • A fixação da imagem é maior graças à rigidez do filme;
  • Aumento do contraste e saturação de cor;
  • Possibilidade de recorrer a uma poderosa fonte de luz;
  • Redução do efeito de fricção das bobinas graças à espessura do revestimento magnético.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

CHILDREN MUST LAUGH (1936, Aleksander Ford)

Notas do restauro de CHILDREN MUST LAUGH.





MIR KUMEN ON was restored by Lobster Films in collaboration with the Deutsche Kinemathek (Berlin), the Filmoteka Narodowa (Warsaw) and the Museum of Modern Art (MoMA - New York), from a nitrate print preserved in the Deutsche Kinemathek, an incomplete acetate print with Danish subtitles in the Filmoteka Narodowa collection, and a 3rd generation safety dupe negative dubbed and subtitled in English preserved in the MoMA collection.